Hélder Pereira diz que um seu atleta foi vítima de racismo/xenofobia

No flash-interview após o jogo, já solicitáramos a Hélder Pereira que comentasse uma situação que nos pareceu ser grave e o mesmo não quis criar muitas ondas sobre o assunto, no entanto mais de vinte e quatro horas depois vem colocar o dedo na ferida.

O jovem técnico começa a explicar a pesada derrota, passando pelo comportamento que solicita aos seus jogadores e diz ter vivido num jogo de futsal o pior que o futebol nos mostra e explica o mau comportamento de um atleta adversário e dos adeptos afectos à equipa matosinhense, Posteriormente reitera que não reconhece a instituição Junqueira nestes comportamentos, e que o seu delegado pediu desculpa pelo sucedido e por fim termina com palavras dirigidas à equipa de arbitragem, fique com o comentário e as imagens possíveis do sucedido.

O meu nome é Hélder Pereira e sou o treinador da equipa de futsal da ACD Mindelo. Aproveito este espaço público do meu clube para expor uma opinião pessoal, mas que é também o espírito que neste momento se vive no meu grupo de trabalho. Esperei 24h para emitir esta minha opinião, pois tinha de reflectir sobre o que se passou e procurar ser o mais objectivo e lúcido possível. Peço paciência para o este texto, é um pouco longo:

Ponto 1 - no dia de ontem (sábado 10/12/2016) jogamos no pavilhão de Santa Cruz do Bispo contra o Junqueira. Sofremos uma derrota pesada, num jogo onde não demonstrámos a capacidade de outros jogos e a vitória do nosso adversário não merece qualquer contestação. Não fomos competentes o suficiente e a responsabilidade desta derrota é exclusivamente minha;

Ponto 2 - sempre procurei que os meus atletas estejam concentrados apenas nos aspectos do jogo que podem controlar e, apesar de não sermos santos, temos conseguido manter um comportamento adequado com a instituição que representamos. Sempre esperei também que o futsal não herdasse o que de pior o futebol tem, mas depois do exemplo de ontem creio que essa batalha já foi perdida;

Ponto 3 - por outras palavras, o meu atleta Vinicius Nascimento, sofreu um acto que se define facilmente: racismo/xenofobia! Foi insultado de forma gratuita e injustificada por um jogador da equipa adversária, com muitos anos desta modalidade e ao qual nunca associei comportamentos semelhantes, sendo depois achincalhado por alguns "primatas" presentes na bancada. Ora, o Vinicius tem de facto outra naturalidade, é de facto de outra etnia, não precisa de ser acarinhado por jogadores e adeptos adversários mas precisa de ser respeitado! É um miúdo trabalhador, que ficou extremamente afectado pela situação, principalmente porque não teve qualquer razão de ser. O Junqueira já vencia por 4-0, tinha o jogo controlado e toda a situação não pode ser justificada com o "calor do jogo" pois essa discussão já tinha acabado minutos antes. Foi muito difícil controlar a reação do meu atleta e mais difícil tentar explicar-lhe que no nosso país este tipo de coisas não é habitual (será que não é??);

Ponto 4 - tenho a inteligência suficiente para perceber que este acto isolado não define a instituição Junqueira, pela qual tenho grande respeito e estima, mas não poderia branquear o sucedido não emitindo qualquer opinião. Uma palavra ainda para o delegado ao jogo da equipa adversária que teve a humildade e seriedade suficientes para em nome da sua instituição nos pedir desculpa pelo sucedido. Meus amigos, temos de respeitar todos os intervenientes no jogo, não julgar pela cor da pele, religião ou qualquer outro aspecto que nos diferencie. Temos de levar os nossos atletas a respeitar o jogo e o adversário, na derrota e se calhar ainda mais na vitória;

Ponto 5 - uma palavra também para os senhores do apito: tiveram a coragem de, na presença dos delegados dos dois clubes, apelidar a minha equipa de "bando de meninos". Para além de demonstrar uma certa parcialidade, estranha no mínimo, o seu tom jocoso demonstra como esta classe tem comportamentos que não se coadunam com o desporto que eu amo. Exigem em todos momentos respeito, mas a mim sempre me ensinaram: respeita para seres respeitado! O meu "bando de meninos", e até somos porque a media de idades deve ser das mais baixas do campeonato, merecem ser tratados com respeito pois trabalham muito, nem sempre bem, mas sempre com tudo o que têm! E se estas situações de desrespeito continuarem, até o mais ecléctico "bando de meninos" se pode tornar no mais perigoso bando de primatas!!

Termino este meu texto como comecei: tudo o que enumerei não justifica a derrota de ontem, é apenas a voz da revolta de um plantel que ficou simplesmente chocado com tudo aquilo que ontem se passou em Santa Cruz do Bispo!

Força Vinicius Nascimento!
Força ACD Mindelo!
Juntos somos mais fortes!