Votos do utilizador: 0 / 5

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

Ano Novo, Surpresas Novas
Quando destacamos os quatro jogos para esta décima oitava ronda, estávamos (quase) certos que seriam jogos em que o fator SURPRESA iria aparecer, mas estávamos muito longe de imaginar que a surpresa da jornada não estivesse neste lote de quatro como já teremos oportunidade de referir.

Dos sete jogos que compunham a jornada dezoito deste campeonato, apenas um terminou com a vitória da equipa melhor classificada, referimo-nos à goleada do líder C.D. Aves na receção à G.D.C. Cohaemato por esclarecedores 9-2, registando-se nos restantes encontros, dois empates e quatro vitórias das equipas que estavam colocadas abaixo do seu opositor na tabela classificativa.
Após esta introdução, comecemos esta crónica pelo jogo que abriu esta jornada dezoito e que opunha o Gramidense Infante F.C. (13º) e Matosinhos Futsal (8º), separados por dez pontos, e que terminou empatado a três bolas, depois da equipa matosinhense consentir a recuperação do seu adversário, após ter estado a vencer por margem confortável.
Nos restantes jogos da tarde de sábado chegaram as surpresas e a primeira enorme surpresa dá pelo nome de Miramar Império, o lanterna vermelha da prova foi a casa do quinto classificado A.M. Granja vencer por 2-1, impondo ao seu opositor a segunda derrota caseira e acabando em definitivo com o sonho do apuramento para discutir a subida ao nacional e mantendo o sua luz ao fundo do túnel no que se refere à manutenção, aliás o Miramar Império fez mais pontos (quatro) nestas duas ultimas jornadas do que nas restantes dezasseis anteriores, onde só tinha conseguido amealhar três pontos.
A segunda surpresa veio do confronto entre F.C. Unidos Pinheirense e F.C. Paços de Ferreira, num jogo em que a equipa da casa tinha tudo, em caso de vitória, para solidificar a terceira posição e pressionar o segundo lugar do J.D. Gaia (já que ficaria a apenas um ponto e esperaria o desfecho do embate que fecharia a jornada), não aproveitou talvez acusando a pressão do momento e não foi capaz, mais uma vez de superar o seu adversário e “vingar” a derrota da primeira volta, terminando o jogo empatado a duas bolas, resultando daí, a maior tranquilidade da formação pacense que tem a manutenção praticamente assegurada, mas não matematicamente (isto sim, é que interessa) e o F.C. Unidos Pinheirense que com este empate ainda consegue encurtar a distancia pontual para a segunda posição, mas vê cada vez mais próximo um Rio Ave F.C. que tem vindo passo a passo a ultrapassar adversários e a ascender classificativamente, tendo chegado à terceira posição.
O jogo que fechava o sábado punha frente a frente D.O. Fonte da Moura (11º) e A.R. Freixieiro (9º), uma partida que previsivelmente seria equilibrada e que não fugiu a essa expectativa terminando com a vitória da equipa anfitriã por um invulgar score de uma bola a zero, resultando a troca posicional de ambas as formações na tabela classificativa.
No domingo ao final da tarde em Leça da Palmeira jogar-se-ia o penúltimo jogo da ronda, onde a Académica local recebia o Póvoa Futsal, depois de na primeira volta se ter registado um empate a duas bolas antevia-se um jogo equilibrado o que veio a acontecer, acabando a turma forasteira por aproveitar melhor os erros do adversário, vindo a vencer por 3-2, ocasionando então para além da conquista dos três pontos, uma vantagem pontual no confronto direto, caso venha a ser necessário.
Na noite da passada segunda-feira oito de Janeiro, a jornada concluir-se-ia com o jogo grande, que quanto a nós defraudou um pouco as expectativas, isto porque o medo de perder superou, pelo menos em quarenta e poucos minutos, a vontade de ganhar.
Ambas as equipas optaram por um jogo cauteloso, em que privilegiavam a posse de bola mas que ao contrário do que seria esperado, originou um jogo muito faltoso nos primeiros minutos da partida (antes dos dez minutos de jogo o J.D. Gaia tinha cometido três faltas e sofrido duas) e que se revelaria fulcral para o desfecho do embate ao intervalo, uma vez que o Rio Ave F.C. chegaria ao empate na cobrança de um livre de dez metros, superiormente apontado pelo seu capitão Dinis Ramos (quanto a nós a figura do encontro e a quem nos referiremos mais à frente), isto após a equipa da casa ter chegado à vantagem e de ter desperdiçado duas ou três oportunidades para a alargar.
Chegados ao intervalo com um empate a uma bola que servia mais o J.D. Gaia do que propriamente o Rio Ave F.C., prevíamos que o jogo mudasse de toada e que a turma vila-condense arriscasse um pouco mais, o que não se verificou de imediato mas que se viria a revelar a estratégia ideal para os últimos minutos.
Do lado do Gaia o “motor” Bruno Moreira não “carburava” e não mostrava a sua normal e desequilibrante inspiração, como já o vimos a fazer por várias vezes ao longo dos tempos, não conseguindo fazer a diferença e mostrando mais uma vez aquilo que nos parece evidente, a dependência do J.D. Gaia deste bom elemento, e desculpem se tivermos enganados, mas os poucos resultados negativos da equipa e a coincidente ausência do atleta confirmam a nossa tese.
No outro lado o Rio Ave mesmo com o seu capitão algo debilitado fisicamente (pareceu-nos doente, nomeadamente pela tosse que por vezes manifestava), a jogar a passo e a ultrapassar raramente a linha de meio campo (quando o fez resolveu), a formação forasteira optou pelo controlo do jogo.
A resolução do encontro veio então dos pés do seu “experiente” capitão (compete pelos seniores na Liga Sport Zone) Dinis Ramos, primeiro na primeira parte, como atrás referimos, e depois quando a pouco mais de cinco minutos do final da partida e quando o Rio Ave decide arriscar rumo à vitória, acentuando a pressão alta e conseguindo intercetar duas ou três bolas no meio campo, que originariam outras tantas oportunidades de golo falhadas e na sequência duma dessas transições e a poucos instantes do terminus do encontro, o capitão do Rio Ave F.C. arranca um potente e colocado remate, dando a vitória à sua equipa.
Resultando daqui a aproximação do Rio Ave F.C. ao terceiro lugar, está agora a dois pontos do F.C. Unidos Pinheirense (na prática são três pontos, já que não possui goal-average para o seu adversário direto) e o afastamento do Gaia da luta pelo título de campeão distrital.
Como pudemos constatar surpresa foi o denominador comum da jornada e por conseguinte parece-nos que cada vez estamos mais longe das decisões definitivas, quando ainda estão por disputar vinte e um pontos, tantos quantos até hoje, seis das catorze equipas que compõem a competição ainda não conseguiram alcançar.
Notas finais para o Aves que na próxima jornada pode chegar aos 100 golos marcados e para o Rio Ave que pela segunda jornada consecutiva mantém o título da melhor defesa com trinta e cinco golos sofridos.
A próxima ronda, o embate entre o Póvoa Futsal (10º) e o Gramidense Infante F.C. (13º) parece-nos ser o jogo da jornada e um jogo crucial para os visitantes, depois do empate a uma bola na primeira volta.

Não possuí direitos para inserir comentários

Futsal Porto Distrital

Copyright © 2016. All Rights Reserved.